fotos históricas mirandopolis sp

terça-feira, 17 de abril de 2012

Fotos da explosão do vagão de trem cheio de "explosivo" que danificou parte da cidade 16/12/1946

rua rafael pereira mais atingida,
veja como ficou as lojas veio gente e reporteres até da cidade de são paulo, foi uma coisa inédita minha mãe morava na fazenda de meu avô em monte serrat, estavam em uma festa de batizado de meu primo no terrerão de café, era começo da noite, viram um clarão no céu e depois o barulho da explosão, como tinha pouco terminado a 2 Gerra mundial eles ficaram com medo que fosse um bombardeio e meu  logo de manha pegou o cavalo e veio até a cidade ver oque tinha acontecido, porque morava sua irmã Tia Pina, casada com Angelim Miloch e moravam perto da maquina do Wada, proximo a linha de trem sua casa de madeira   ficou torta de um lado com o impacto do deslocamento de ar. O susto foi muito grande.

travessia da linha frente embarcador de gado, fundo maquina de café Wada

rafael pereira semi destruida

16/121946- tragédia na cidade de mirandópolis

veja como ficou as lojas veio gente e reporteres até da cidade de são paulo.
ferros retorcidos da linha devido a explosão intensa com grande deslocamento de ar.
hotel Aliança, veja como ficou semi destruido pela explosão, hoje é a creche municipal na travessia da
linha - 16/12/1946.

7 comentários:

  1. Minha familia Resler , conhecido por "Rosa", Armando, Miguel, Arlindo, Alcindo, Luiza, Pina, meu avô alemão José Resler e sua mulher Maria Avanço, vieram para cidade de Mirandópolis na dec. de 30, instalaram comprando uma fazenda em Monte Serrat de café e até hoje nós seus descendentes estamos residindo nesta cidade e eles ajudaram no progresso da mesma, inclusive a chacara Bela vista na entrada da cidade e várias outras eram deles, hoje é o bairro Santa Rosa, onde se instalaram antes de 1950 por volta de 1948, ajudaram a construir a Igreja matriz. Meu pai casou com Maria filha de "Calabres" Italianos em 1945 na capela de tábua da cidade.Somos um dos fundadores desta URBE com muito amor.

    ResponderExcluir
  2. Minha vó Maria Armanine Rodrigues e meu Vô Pedro Rodrigues, sempre comentaram sobre este acontecido, porém nunca tinha visto fotos de como ficou Mirandópolis, Meu Pai Trabalhou no bar do Ponto( Jorge David ) e no Cinema do seu Tio em frente a praça da matriz. Ele sempre me falou desta passagem em Mirandópolis. Realmente foi um desastre para época. Nasci em 1962 quando tudo já estava no lugar, porém ao passar minha infância nesta cidade, ainda pude perceber alguns vestígios do acontecido.Me Chamo Ricardo Luis David moro em SBC e infelizmente muitos dos meus familiares de Mirandópolis já moram no céu.Ainda possuo primos e primas que moram na cidade. Meu Avô Pedro Rodrigues trabalhou no Irmãos Esteves ( máquina de beneficiamento de algodão ) na Rua Rafael Pereira. será que alguém tem fotos desta época.

    ResponderExcluir
  3. Meus queridos, morei em Mirandópolis em 1944/47, tinha apenas 3 anos de idade quando ocorreu essa tragédia, mas nossa família não estava na cidade nesse período, porque havíamos ido visitar parentes na cidade de Uchoa-SP., quando meu pai soube da tragédia voltamos e eu me lembro do espanto dos meus pais ao chegarmos em casa e encontrar espelhos quebrados e cacos pelo chão da casa que era de madeira, no quintal meu pai encontrou uma bola de ferro, que pelo exagero dos meus olhos era bem grande(acho que media + ou - l5x15 cm), ficamos assustados. Meu pai se chamava Salvador Ide Artioli, trabalhava na firma Esteves & Irmãos, tinha o apelido de LÍBERO, infelismente já se foi para o outro lado. Era casado com Salvadora (coincidência). Tenho uma irmã nascida em Mirandópolis em l2/02/45.Soube por meio de meus pais, que naquele dia, por causa desse acontecimento faleceu um jovem que foi atingido por um objeto da ferrovia, gostaria de saber se é verdade.

    ResponderExcluir
  4. Olá nasci em Mirandópolis em 1972 muitos anos depois desta tragédia, mais meu avô me contou está história, muito triste! hoje moro em Araçatuba, apesar de ser tão pertinho uma cidade da outra só vou lá uma vez no ano. Mais eu cinto muita falta de lá passei, minha infância nesta cidade maravilhosa. tenho parentes lá e uma irmã, estudei no Sesi 321 muita saudades. Tenho saudades também da minha primeira professora tia Edite muito amorosa, Meu avô trabalhou muitos anos de barbeiro no salão Arquimedes ele se foi há muitos anos, o nome dele era Ananias. Meu cartão postal desta cidade é a estação ferroviária e a praça em frente há Matriz. Abraços há todos de Mirandópolis e também de Machado de melo hoje Amandaba.ME chamo Suely Aguiar de Magalhães. Até+++

    ResponderExcluir
  5. Muito interessante a historia de mirandopolis.muita gente da propria cidafe nao sabe que isso aconteceu.

    ResponderExcluir
  6. rosangela correia de paula11 de novembro de 2014 12:19

    Muito interessante a historia de mirandopolis.muita gente da propria cidafe nao sabe que isso aconteceu.

    ResponderExcluir
  7. Pena que não acabou com os ratos desta cidade tão boa, e hoje vivemos com eles roendo o pouco que sobrou, Mirandópolis era pra ser bem melhor, se não tivesse os políticos ratos e preguiçosos.

    ResponderExcluir